Translate

domingo, 15 de novembro de 2015

A Bagunça Nossa de Cada Dia: organização sem culpa!

(os invejosos vão dizer que é montagem rsr)


Todos os dias eu penso numa forma diferente de reorganizar os brinquedos, de arrumar minha área de costura, a parte do escritório e os materiais pedagógicos. Sempre estou pesquisando sobre isto, e testo mas não conseguia sentir paz pelo tumulto diário. Vou dar um exemplo, quando eu tirei esta foto que está no final do post, foi para lembrar desta pose que o Sam estava enquanto assistia desenho. Eu queria no futuro olhar esta imagem e rir , lembrando do momento. Qual não foi minha decepção quando olhei para a imagem na câmera e só consegui me concentrar na bagunça do plano de fundo. 

Tudo fora do lugar. E eu nunca fui uma pessoa ultra organizada, mas realmente a bagunça me irrita um pouco. Eu não tenho o dom de algumas mulheres que em dez minutos conseguem passar por um ambiente e colocar tudo em seu lugar. Eu preciso sempre estudar e aprender,e pensar como vou fazer e pegar dicas, e testar elas para ver se me adapto. Para mim a organização não é algo orgânico, é suor e estudo constantes. E não foi apenas uma nem duas vezes que usei dicas que funcionam bem na casa dos outros, mas aqui não consegui implantar.


E não adianta eu mesma tentar me consolar dizendo "você não consegue porque tem muita coisa para fazer Glaucia", pois eu não me escuto. Eu me esforço. Não tenho o dom mas sou muito esforçada em permanecer tentando. Concordo que não é fácil ser dona de casa e ter home office e fazer Homeschooling e costurar e estudar e blablablabla não é fácil. E como o Sam e o Homeschooling são minha prioridade, a casa fica sempre em segundo plano. E apesar de me sentir bem em priorizar meu filho, sempre havia ainda alguma culpa por não conseguir manter a casa organizada. 

E preciso esclarecer que o trabalho da casa hoje, eu vejo como um privilégio. Vou explicar, é que moramos tantos anos de aluguel , e agora ter uma casa própria é um grande sonho se realizando (mesmo em amargas prestações mensais rsrs). Um momento que ilustra isto, aconteceu hoje mesmo... enquanto eu lavava os azulejos do banheiro, comentei com o Sam: 
"__Filho, está vendo este azulejo? Você ajudou a escolher, a mamãe e o papai foram na loja e você estava na barriga da mamãe!
Ele perguntou: __Eu fui junto?
Eu falei: __ Sim! Você ajudou a escolher este azulejo. Eu sabia que você ia gostar!
E ele riu."

E eu faço isto com gratidão. Sei como foi para comprarmos cada tijolo e como está sendo para pagar nosso cantinho no planeta. Não estou falando de avareza, de ser apegado a bens materiais mas de gratidão. Sabe quando você se sente grata por ter o que tem, por ser o que é , por fazer o que faz? A gratidão está relacionada com a ideia de compreender o que é SUFICIENTE.

A gratidão é algo tão poderoso que se espalha de modo exponencial para todas as áreas de sua vida. E por isto hoje enquanto eu limpava meu banheiro, eu me senti feliz. Estar limpando o banheiro, naquele momento, era suficiente.
Eu me senti feliz por "gostar de fazer" o que eu estava fazendo naquele momento,  pois era para o bem daqueles que eu amo, e porque estar fazendo aquilo naquele instante representava muitas outras coisas: a conquista de ter o meu banheiro na minha casa, a alegria de ter saúde para limpar, e saber que as pessoas que vão utilizar o banheiro sãos aquelas que eu mais amo no mundo. Claro que eu poderia me sentir da mesma forma com outras variáveis, porque a gratidão não é exata mas é abundante.

 Enfim...eu achei que isto não existia mas é real.  E eu aprendi muito também ao pesquisar sobre limpeza e organização do lar. Aprendi a entender minhas limitações e a dividir as áreas da casa em zonas de limpeza, e espaços grandes também subdivir e isto me ajudou  muito a manter a concentração e a dividir as tarefas domésticas de forma suave pelos dias da semana. 

Eu não tenho ninguém para me ajudar nestas tarefas, e sei que seria um privilégio ter alguém para fazer isto, mas não me sinto mais sobrecarregada vendo a limpeza e organização como um fardo a carregar.  Limpar a casa é um serviço, como outro qualquer. Um serviço que tenho a honra de prestar para as pessoas que amo. Nada melhor do que gostar do que se faz e ainda ver as pessoas que amamos usufruindo de nosso trabalho. Eu amo ser dona de casa. Jamais pensei que eu falaria isto (rindo aqui em voz alta rs).

Então, você pode se perguntar: Se eu sinto gratidão porque me sentia culpada? Entenda que a minha culpa era por não conseguir fazer tudo o que eu queria do modo como eu imaginava. Pois organizar um lar com filho pequeno, às vezes, é como patinar sem sair do lugar, é cansativo e a paisagem não muda (riso).  Sim. Não é fácil, mas me incomodava mais o fato como eu me sentia do que a bagunça em si. E não estou fazendo este texto todo para me justificar ou me orgulhar da bagunça, apenas para inspirar outras mães que talvez estejam se sentindo como eu me sentia até hoje de manhã. 

O texto original que eu li estava em inglês, e eu traduzi da melhor forma possível,  espero que seja uma benção  para outras mães como foi para mim. Confesso que eu me emocionei bastante lendo estas palavras, pois a gratidão que eu sentia pela bagunça de meu filho (que para mim representam a saúde física dele em ação) agora também sinto pela minha incapacidade de manter tudo em ordem. Pois agora sei que esta incapacidade de organizar as coisas, não diminui meu esforço em prosseguir tentando organizar. Sinto-me grata por eu poder continuar aprendendo sobre o tema e principalmente por conseguir fazer este post sem medo de mostrar um pouco de minha bagunça por aqui.

E se este post ou texto tocar em seu coração, envie uma foto de sua bagunça para postar aqui também. Prometo que as primeiras fotos eu faço a montagem amadora igual fiz para a foto do post. Para mim este post representa muita coisa, principalmente que eu não me sinto culpada e nem orgulhosa da bagunça, mas me sinto em paz por não perder o principal. O foco da foto. Aquela criança linda que está ali, se equilibrando entre os dois sofás como quem deita sobre as nuvens. E o plano de fundo ...é só o plano de fundo.




Veja o texto que me emocionou:

"Se eu viver em uma casa de beleza impecável, com tudo em seu lugar,
e não tiver amor, eu sou uma empregada doméstica e não uma dona de casa.

Se eu tiver tempo para encerar, polir, e cuidar da decoração,
e não tiver amor, minhas crianças aprenderão sobre limpeza e não piedade.

Se eu gritar com meus filhos em cada desobediência, e culpá-los por todas as bagunça que eles fazem, e não tiver amor, meus filhos se tornarão pessoas vazias e bajuladoras e  não filhos obedientes.

O amor deixa a poeira para buscar o riso de uma criança.
Amor sorri para as pequenas  impressões digitais em uma janela recém-limpa.
Amor enxuga as lágrimas antes de ir limpar o leite derramado.
O amor pega a criança antes de ir pegar os brinquedos espalhados no chão.

O amor aceita o fato de que eu sou a sempre presente "mamãe",
e a motorista de táxi para todos os eventos da infância,
a conselheira quando os meus filhos se frustram ou quando feridos.

Amor engatinha com o bebezinho, anda com o bebê, corre com a criança,
e em seguida, permanece ao lado para deixar os jovens crescerem até a idade adulta.

Antes de me tornar uma mãe eu glorificava a Deus com a perfeição no meu lar .
Agora eu glorifico a Deus com a perfeição em meu filho.

Todas as projeções que eu tinha para minha casa e meus filhos
desapareceram  na insignificância e o que
permaneceu são as memórias de meus filhos.

Agora não permanece em meu lar os arranhões na maior parte do mobiliário,
os pratos com falta talheres, e paredes do quarto cheio de adesivos, cartazes e marcações,
mas sim o que é maior do que tudo: o amor
O amor que permeia meus relacionamentos com os meus filhos."

(Livre Tradução do texto de  JIM FOWLER

Leia outros textos! ESPIE!

Gostou das Dicas? Assine nossa lista

11 comentários:

  1. Puxa, Gláucia, que texto maravilhoso! Amei seus pensamentos sobre o assunto e também a mensagem que você traduziu. Me tocou muito, pois é algo que eu também tenho vivido. A diferença é que são 2 crianças e eu estou grávida... e sem paciência ultimamente. Como você fico irritada com bagunça, mas o meu cansaço físico tem sido tamanho que mal consigo dar conta de ir pra cozinha fazer as refeições. Estou tentando envolver as meninas ao máximo na organização da casa (o que é algo bom), mas elas ainda são crianças e... bem, você sabe, crianças espalham brinquedos pela casa, derramam suco, sujam o sofá, deixam a roupa ultra-encardida para eu ter de esfregar depois, sabe como é! Rsrs. Fico repetindo para mim que esta fase vai passar, logo a bebê nasce e daí eu volto à minha forma física... espero. Porque hoje o menor esforço como me agachar pra pegar algo no chão já me deixa com falta de ar e dores nas costas!! :) Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida...que bom que o texto pode te trazer alguma inspiração na correria de sua vida. Espero que seja mesmo um bálsamo que te ajude pois o que menos precisamos é de cobranças e de culpa, e tenho visto em mim mesma o quanto aceitar minhas limitações me ajuda a aceitar as limitações de meu filho. Aqui estou sempre equilibrando e alterando a forma de nos organizar.
      Agora faz duas semanas que implantei outro método rsrsr separei tudo por categorias e na sala, onde ele fica mais. Então no tempo que tem livre ele até tira todos os brinquedos (o esquema de brincar e guardar ele só faz com pedagógicos rsrs) , aí antes de ir tomar banho ou logo depois, nós estamos fazendo a rotina de guardar os brinquedos. Eu percebi que se ele sabe exatamente o que guardar e aonde, ele fica mais tranquilo e participa. Então tudo que é de madeira está em uma caixinha só, os legos em um lugar separado. Uma caixa só para bonecos e diversos (esta caixa ainda vou precisar separar pois como é misturada ele gosta menos de guardar). rs

      Excluir
  2. Amei! Obrigada por compartilhar. Que dona de casa não se sente incapaz de dar conta de tantas tarefas e um pouco frustrada por não conseguir aquela perfeição q imaginamos. Mas estamos plantando p eternidade. Vamos nos lembrar de qual é mesmo o nosso alvo. Amar a Deus e levar nossos filhos a fazeren o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho sempre amiga...é bem isto. Abraço fraterno

      Excluir
  3. Cheguei ao blog buscando atividades para meu filho e encontrei muito mais do que procurava! Puxa, como me identifiquei! Vou escolher uma foto para te enviar, sempre penso a mesma coisa, rs (meu filho em poses lindas e o cenário de bagunça estragando tudo, rs)

    ResponderExcluir
  4. Esta o programa a dar e de repente muda não esta ligado á internete. mas estamos a BRINCAR, ou o que é isto.

    ResponderExcluir

Será uma alegria ler seu comentário...

Outbrain

Conheça nossos brinquedos:

Conheça nossos brinquedos:
Feito sob encomenda